quinta-feira, 14 de maio de 2015

Capítulo 23

— Bem, me dá uns minutos para que me troque.
Zac foi à cozinha, contente de escapar daquela situação ainda que só por uns minutos. Era um idiota, voltou a repetir-se em silêncio. Como podia ter achado que Vanessa se preocupava por ele? O fato de que desfrutassem do sexo juntos não significava que ela sentisse nada. Zac colocou a comida no carrinho e subiu ao terraço. Depois fingiu ocupar-se com a mesa, enquanto ela chegava. Vanessa demorou em subir menos do que ele esperava.
— Que encantador! — exclamou ela —. É tão... romântico.
— Já conhece James, acho que desta vez exagerou um pouco — contestou Zac com naturalidade —. É bonito, mas os candelabros ficam excessivos.
Zac recolheu os candelabros da mesa e levou-os ao extremo oposto do terraço. Depois afastou as velas, e voltou a levá-las a seu lugar habitual. Em relação às flores e ao vinho não pôde fazer nada.
Quando por fim se atreveu a olhar Vanessa, ela parecia confusa, estranha. Provavelmente sentia-se aliviada. Ao ver o romantismo da mesa, seguramente teria temido que ele fosse cometer uma estupidez. Como por exemplo, lhe falar de amor...
Mas era melhor deixar de pensar desse modo. Afinal de contas, ele queria Vanessa, queria ter filhos, e tinha conseguido ambas as coisas. E jamais tinha esperado seu amor.
— Sente-se e conte-me tudo — disse Zac lhe segurando a cadeira, tomando assento e afastando as flores como se lhe incomodassem, com toda naturalidade.
— Vai abrir o vinho? — perguntou Vanessa depois de uns instantes de vacilação.
— Ora... Não pensava em fazer, supõe-se que não deve beber. Não sei em que estaria pensando James.
— Um copo não pode me fazer nenhum dano.
— Não quero me arriscar — objetou Zac sem se atrever a olhar —. Deixaremos à celebração para quando tenha ampliado a galeria.
— Algo errado?
— Não — contestou Zac esforçando-se por olhá-la —. Conta.
— Bem, vamos ver... — começou Vanessa sem deixar por um momento de observá-lo —... o que quere saber?
— Quem se concedeu o empréstimo?
— O banco Boston Savings, pode acreditar? Quando pedi, o senhor Brockhiser se mostrou muito educado, mas inflexível.
Não podia ser uma casualidade, pensou Zac. O fato de que tivesse se encontrado com Stuart Brockhiser, e seu banco finalmente lhe tivesse concedido o empréstimo devia ter, evidentemente, alguma relação.
— E contou-lhe por que mudaram de opinião?
— Não, eu também não lhe perguntei. Só me disse que tinha pensado, e que se alegrava de que por fim a comissão de empréstimos tivesse mudado de opinião — sorriu Vanessa —. Estou muito contente para me preocupar com qual foi a razão, contanto que me deem esse empréstimo.
Zac alegrou-se, e decidiu não lhe contar nada da conversa que tinha mantido com Stuart. Afinal de contas eles só tinham trocado algumas palavras, ele não era o responsável por sua mudança de opinião. Ademais, Vanessa não tinha se casado com ele pelas vantagens financeiras que o enlace lhe oferecia?
Zac comportava-se de um modo estranho. Depois do jantar, quase a tinha jogado fora da cozinha, argumentando que ele se ocuparia dos pratos e que era melhor que ela se preparasse para ir para a cama. Em outras ocasiões, quando James não estava, sempre tinham ficado juntos. Vanessa suspeitava que Zac queria se afastar dela, e isso lhe doía. Desde que tinham começado a fazer amor, ela estava convencida de que tinham conseguido vencer outra barreira a mais e criar uma nova intimidade entre os dois. Mas, naquela noite, Zac comportava-se como se não quisesse estar com ela.
E que demônios tinha se passado com o jantar? Ao sair para o terraço e vê-lo tão romanticamente decorado, Vanessa tinha sentido que o coração se apertava. Não podia evitar suspeitar que Zac tivesse pedido a James que preparasse tudo para, depois, mudar de opinião. Mas por que razão?
Era deprimente. Vanessa olhou-se no espelho e suspirou. E, pensando em coisas deprimentes, quanto tempo demoraria Zac em se cansar de fazer amor com uma mulher a quem nem sequer podia rodear por inteiro pela cintura? Vanessa se desnudou e meteu-se em seu lado da enorme cama que compartilhava fazia semanas com Zac. Estava lendo quando ele entrou no quarto.
— Alegro-me de que tenha chegado, estava quase dormindo.
Zac não respondeu, simplesmente sorriu ausente. Esvaziou os bolsos, tirou a roupa e meteu-se na cama. Instantes depois apagou a luz de sua mesa, e ela o imitou. Vanessa esperou que Zac alongasse ambos os braços para estreitá-la, mas ele somente pôs uma mão sobre seu ventre e perguntou: — Moveram-se muito hoje?
— Bastante, mas agora estão quietinhas — contestou Vanessa pondo a mão sobre a dele —. Ocorreu algo hoje no escritório, que lhe tenha deixado de mau humor?
— Não, por que diz?
— Não sei, parece... Desanimado.
— Sim, hoje foi um dia um pouco cinza — Zac encolheu os ombros, começando a acariciar seu ventre —. Está bem, fisicamente?
— Enorme — riu ironicamente Vanessa, ao compreender que a recusava —. Não sei que vai ser de mim, quando ficar mais gorda ainda. Nem sequer posso achar que vá engordar mais, apesar de saber que será assim.
Vanessa estava convencida de que algo não ia bem, mas não sabia que mais fazer para lhe demonstrar que queria compartilhar com ele. Não obstante a preocupação começou a passar enquanto desfrutava das caricias de Zac em seu ventre. Fazia círculos cada vez mais amplos, até que sua mão lhe roçou os seios. Em seu estado, sua pele era tão sensível que o mínimo contato a excitava. Vanessa conteve o fôlego com um gemido de prazer.
— Tem uma pele tão suave — respirou ele —. Tão delicada. Encanta-me tocá-la.
— E a mim me encanta que me toque — respondeu ela se voltando para ele para beijá-lo, resistindo ao impulso de lhe confessar que o amava. No entanto Zac não a deixou se voltar para ele. Em lugar disso, a fez se virar em sentido contrário e a abraçou por trás, encurralando-a contra seu corpo e deitando sua cabeça. Zac flexionou os joelhos para acima os pondo em contato com as pernas de Vanessa. Seu corpo viril começou a excitar-se contra o traseiro dela, com o movimento. Colocou uma mão sobre seu ventre, e Vanessa estremeceu com o erotismo da postura. Depois ele deslizou os dedos por baixo da perna superior de Vanessa e moveu-a para pô-la sobre as suas. Vanessa gemeu. O pressionava para frente firmemente, entre suas pernas. Vanessa gemeu. A mão de Zac acariciava seu ventre acima e abaixo, abraçava seus seios e roçava eroticamente seus mamilos. Vanessa começou a mover-se excitada contra ele, tinha o pulso acelerado. Então ele levantou a cabeça e começou a mordiscar e lamber o lóbulo de sua orelha. Depois traçou um trajeto de beijos por seu pescoço até o ombro, e ao mesmo tempo deslizou a mão para o pelo do púbis para acariciá-lo.
♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥
Só eu acho que se o Zac continuar calado e não perguntar
pra Vanessa o por que daquele inventário nada se resolverá!?
Será que ele não enxerga isso não!? Ele ta acabando com o meu coração
agindo assim!!! E agora o que será que vai acontecer??
Obrigada pelos comentários meninas!!!
Beijoooos e até amanhã!!

3 comentários:

  1. Aiii mds ,ele n pode agir assim,droga,ele tem que esclarecer as coisas!Posta mais ,bjs bjs

    ResponderExcluir
  2. Eles tem que se declararem logo!!!
    Posta mais ;)

    ResponderExcluir
  3. Aiii meu core
    meu deus,que povo difícil
    o Zac devia logo esclarecer as coisas com a Vanessa
    tô surtando aqui
    posta mais e logo,kisses

    ResponderExcluir